quinta-feira, 16 de junho de 2011

7 TESES SOBRE "PASTORES CELEBRIDADES"

Kevin DeYoung


Nos últimos meses tem havido uma boa quantidade de discussão nos blogs (bons blogs de pessoas que eu respeito) sobre os perigos dos “pastores celebridades”. Como é freqüente o caso com essas questões, existem muitas preocupações legítimas que devem ser feitas e muitas reações exageradas que devem ser evitadas.


Então, em nenhuma ordem especial, aqui estão sete teses que devem ser lembradas:


1. Celebridade não é uma palavra de grande ajuda. Uma celebridade é simplesmente alguém que é bem conhecido e facilmente reconhecível. Então, num certo sentido, existem pastores celebridades. Porém, “celebridade” muitas vezes carrega conotações negativas, especialmente nos círculos cristãos. Uma celebridade é alguém que é famoso por nenhuma razão substancial. Ouvimos “celebridade” e pensamos “vão”, “caçador de status”, “importante por motivos superficiais. A menos que seja isso que queiramos dizer sobre alguns cristãos bem-conhecidos (e talvez seja), devemos evitar chamá-los de “pastores celebridades”. Macho Man Randy Savage[1] e Martyn Lloyd-Jones eram famosos e influentes em seus próprios círculos, mas havia uma diferença entre eles.


2. A popularidade é, para usar uma frase de Jonathan Edwards, um não-sinal. Notar que o pastor X é popular, não deve ser visto como um juízo de valor. Hitler foi popular por um tempo, mas assim era Jesus. Não é um sinal necessário de fidelidade ou infidelidade que muitas pessoas vão à igreja do pastor X, amem ouvir suas pregações ou comprar seus livros. Importantes podem ser melhores ou piores.


3. O faccionismo é um perigo, mas faccionismo não é a mesma coisa que ter um seguidor. Muitas pessoas são rápidas para trazer a advertência de Paulo em 1 Coríntios sobre aqueles que dizem “Eu sou de Paulo” ou “Eu sou de Apolo”. Mas Paulo está repreendendo a igreja por causa das divisões (v. 10) e brigas (v. 11), não por ter mestres. Ser atraído por certo pregador por si só não significa que você está cometendo o pecado do sectarismo. Se você pensa que o seu mestre favorito é o único que vale a pena ouvir, se você é apaixonado por segui-lo em vez de por seguir a Cristo, se voe entra em discussões sem sentido para defender o seu mestre, aí sim, você está cometendo o erro contra o qual Paulo advertiu.


4. O coração humano é desesperadamente corrupto, quem pode compreendê-lo? Pregadores populares e mestres não estão imunes à vaidade, orgulho e autoabsorção. Aqueles que os seguem não estão imunes à idolatria, idiotices e de perderem completamente o ponto. E os críticos de todas essas coisas não estão imunes à inveja, cinismo e de minarem a obra de Deus apenas porque parecia estar funcionando.


5. Os homens seguem homens (e com isso eu quero dizer, de forma menos elegante, os humanos seguem outros seres humanos). Enquanto nos lembramos do Heroi, é bom ter herois humanos (Hebreus 13.7). Mostre-me um grande cristão na história da igreja e eu garanto que ele (ou ela) aprendeu aos pés de alguns outros cristãos. Para algumas pessoas é Whitefield ou Hodge ou Warfield. Para outras é Agostinho, Aquino ou Atanásio. Ainda para outras é Susanna Wesley, Sarah Edwards ou Elisabeth Elliot. Para outras pode ser Lloyd-Jones, Lewis ou Machen. Por que deveríamos nos surpreender com o fato de que alguns nomes atuais serão adicionados à lista de instrumentos especiais de Deus?


6. Dê glória a Deus por seus dons onde quer que você os encontre. Isso implica três coisas:


1) Sempre devemos lembrar – e não apenas dar louvor fingido ao fato – que Deus é aquele que distribui dons aos mestres, pastores e autores. As igrejas são edificadas. Deus recebe a glória.


2) Alguns cristãos são mais talentosos do que outros. Isso não apenas é a realidade; essa é a maneira como Deus projetou as coisas. Será melhor aprender sobre João Calvino de alguns professores do que de outros (uma das razões de os palestrantes serem anunciados nas conferências). Frequentemente, aqueles com os dons mais acentuados são os que têm maior influência. E aqueles com maior influência, usualmente, são mais conhecidos do que aqueles com pouca influência. Então, enquanto Deus distribui dons como lhe apraz, não fujamos do fato de que alguns homens têm mais notoriedade e são usados mais intensamente que outros. Se você tivesse que dar uma aula sobre a Reforma, certamente gastaria a maior parte do seu tempo com Lutero, Calvino, Knox e Zwinglio. A mente humana só pode compreender uma parte, por isso tendemos a nos concentrar sobre os homens que (aos nossos olhos imperfeitos) pareciam ser utilizados por Deus exclusivamente em seu plano.


3) Temos de encontrar formas de honrar as partes do corpo que menos são honradas (1 Coríntios 12.24). Isso pode significar agradecer ao seu fiel pastor mais frequentemente, embora seus sermões nunca figurem em uma antologia da pregação. Isso pode significar escrever um agradecimento aos empregados em nossas igrejas que estão por trás dos dons que aparecem. Certamente significa que aqueles com dons destacados de ensino devem procurar formas de direcionar a atenção para fora de si mesmos, de modo que possam honrar “as outras partes do corpo”. Pastores seniores, em particular, devem encontrar formas de elogiar publicamente o resto do seu pessoal. Eles também devem desenvolver o hábito de agradecer em particular os outros. E deveriam orar por esposas que não são facilmente impressionadas (e reconhecer a graça de Deus quando elas não são!).


7. Envergonhe pessoas apenas porque você está certo que algo é verdadeiramente vergonhoso. Seguir seus palestrantes favoritos como adolescentes seguindo John, Paul, George e Ringo é bobagem. Mas tenhamos cuidado para não fazer com que todo cristão que já tenha conseguido um autógrafo ou uma fotografia se sinta uma droga. Há razões estúpidas para esperar na fila para falar com uma pessoa popular. Mas há razões que honram a Deus também. Muitas pessoas desejam simplesmente dizer “muito obrigado”, ou pedir oração, ou pedir um pequeno conselho. Julgamentos facilmente se transformam em sentenças, quando não conhecemos todos os fatos (1 Samuel 16.7). Se em nosso desejo de alertar contra o culto à personalidade nos esquecemos de que Deus usa as pessoas, não prestaremos nenhum favor à igreja ou a Deus nesse assunto.




TRADUÇÃO LIVRE: Alan Rennê Alexandrino Lima


NOTA:


[1] Macho Man Randy Savage ou simplesmente Randy Savage, foi um ex-lutador de wrestling profissional e ator. Savage era melhor conhecido por suas passagens na Total Nonstop Action Wrestling, World Championship Wrestling e mais notavelmente pela World Wrestling Federation.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...